Dois vovôs do campeonado da AABB que não querem saber de pendurar as chuteiras


O campeonato da AABB tem muitas curiosidades dignas de nota, e esta aqui é uma delas, vocês vão ter que concordar. Quando a gente fala de jogo, sabemos que existem 3 categorias no campeonato, que são a absoluta, da rapaziada que corre feito guepardos nas savanas africanas; da master, cujos atletas também esbanjam saúde e boa forma física; e a categoria supermaster; a zona dos vovôs sessentões, em que a maioria já não consegue correr tanto e os músculos não obedecem mais o que o cérebro e a habilidade perdida pede pra fazer. E aqui os mais inteligentes aprenderam que em vez de correr e acabar fora do time por dores musculares é mais sensato se posicionar bem em campo e esperar a bola vir até eles. Nem sempre é assim. Na hora do jogo cada time e cada jogador tem uma tática, mas em muitos casos sim.


Só que hoje não estamos aqui pra falar dos vovôs sessentões, e sim de 2 vovôs da categoria absoluta. É isso mesmo! Eles não só existem, como também são muito bons de bola, e sorte dos times que os tem como jogadores. Um deles é o Eduardo Bianchesi

O outro Vovô da absoluta é o Dhiogo Martins. É chamado até de bisavô pelo Eduardo, que zoa o amigo espalhando que o cara joga mais que ele mas "tem a carcaça mais estragada" (risos). Evidentemente que é apenas brincadeira, porque os 2 são grandes amigos dentro e fora do campo, e os 2 jogam bem demais. O Eduardo Vovô é volante da Juventus do Yuri, e o Dhiogo Vovô, vulgo "bisavô", atualmente joga no PSG, mas também já jogou no time do Yuri, no campeonato lameirinho, por exemplo. E o Dhiogo tá sempre fazendo gol. Azar do goleiro que não o conhece e dá mole pra ele.


Por que será que são chamados de vovô se ainda nem sonham em pendurar as chuteiras? Aqui começa um belo capítulo dessa história.


A OUTRA VIDA DE UM VOVÔ




O Eduardo diz que em 2009 havia parado totalmente de jogar bola. Ele jogava futsal em todo o Mato Grosso, disputando a Copa Centro-América, campeonato regionais, enfim. Revela que neste período andava desanimado com o futebol. Anteriormente ele havia parado de tentar a carreira profissional no futebol de campo pra jogar futebol de salão. Em 2009, quando parou de jogar, mudou pra Campo Grande, onde ficou até 2011. Depois disso ele voltou pra Cuiabá, mas continuava afastado dos gramados.


"Fui voltar a joga bola em 2012, quando a minha filha mais velha, que tinha um problema de triglicerídio e colesterol altos e estava acima do peso. A gente como pai cobra muito dos filhos. A gente cobrava muito ela mas não estava dando o exemplo. Aí eu conversei com a minha esposa e a gente mudou totalmente o nosso ritmo de vida. Aí, então, como eu sempre gostei de praticar esporte ou futebol, o Franz Corrêa, né, que é sócio até hoje da AABB, trabalhava na Ipiranga e eu atendia o posto dele, me convidou pra fazer parte do clube e voltar a jogar".


Eduardo havia manifestado ao Franz a vontade que tinha de voltar a jogar, para ajudar a filha a fazer reeducação alimentar. A esta altura o Franz apresentou o Eduardo ao Ziza, coordenador de esportes da AABB Cuiabá. "Em 2012 eu disputei o interclubes na aabb, e em 2013 fui disputar o campeonato interno (atual campeonato abebeano). E isso que eu tenho 1m72 e estava com 93 Kg, bem gordo mesmo. Caí no time da gurizada. Tinha uma categoria que era de até 29 anos. E eu tinha 29 anos em 2013. Então você pode imaginar: eu era um gordinho e o mais velho da equipe, correndo com a gurizada de 17 a 22 anos. Eu estava voltando a jogar, e tem um amigo nosso que também é sócio da AABB até hoje e que inclusive joga comigo na Juventus, o Fábio. Ele estava comigo na época, e aí ele me colocou esse apelido, de vovô, 29 anos de idade já vovô. E pegou. No futebol, por aí, ainda tem muita gente que não sabe o meu nome, só o apelido de Vovô mesmo".


Conforme o Eduardo, há senhores na AABB que até hoje jogam bola e já têm 70 anos, mas ele atualmente está com 35 anos. "Tenho metade da idade deles, e eles me chamam de vovô, porque só me conhecem por vovô, entendeu? E eu adotei este apelido. Nas camisas dos times aonde eu jogo eu mando colocar o nome de vovô porque é um apelido que eu gosto. Depois que voltei a jogar na AABB voltei também a jogar salão novamente e disputei o estadual, em 2014".




O Vovô Eduardo chegou a perder 25 Kg. "Dentro da AABB passei a conhecer muita gente e desde então tenho feito muitas amizades. Voltei a jogar bola em vários locais. Eu que sempre gostei muito de desafios fui me motivando cada vez mais. Eu entrei na AABB na verdade porque ninguém não me chamava mais pra jogar bola. Sendo um gordinho, ninguém me chamava mais. Então tomei isso como um desafio. Voltei a jogar pra ajudar minha filha e cheguei a perder 25 quilos. Inclusive, cheguei a 67 Kg, fiquei muito fraco, tive que fazer um fortalecimento e hoje me mantenho na faixa dos 75 Kg".


Depois que veio pra AABB, Eduardo frisa que voltou a jogar nos estaduais, incluindo o futebol de salão, chegando até mesmo a ser convocado para a seleção do time estadual, em que teve um jogo festivo entre a seleção do estadual e o campeão estadual que foi o Uirapuru. "Nesse jogo o Falcão participou com a gente", relembra o atleta. "Tive, portanto, o privilégio de poder jogar com o Pelé das quadras e fiz 2 gols nesse jogo, com passe dele, inclusive. Foi uma experiência muito bacana que eu pude alcançar através de grandes amizades e dessa estrutura fantástica que é a AABB".




DIOGO REVELA QUEM COLOCOU ESTE APELIDO NELE


Segundo Dhiogo Vovô, quem colocou este apelido nele foi o Eduardo Vovô, talvez pra não ficar sozinho com este apelido. "Normalmente era só Dhiogo mesmo, e a questão do bisavô foi ele também. Num campeonato em que fomos jogar em outro lugar, ele foi lá quietinho até o narrador e disse que o nome dele era Eduardo Vovô e que eu seria o Bisavô, no caso. Mas isso aí não pegou não, é só ele que me chama assim, só pra sacanear mesmo".


Dhiogo Vovô foi jogador profissional desde 1997 até 2007. Depois disso andava desanimado e já não queria mais jogar futebol, mas conhecia muito o André Bassit, que o convidou pra ir para a AABB. "Não me lembro bem o ano em que isso aconteceu, mas acho que foi em 2010 ou 2011. O fato é que gostei demais do clube. Gostei das pessoas da AABB e dos dirigentes, principalmente do Ziza. Então fui ficando e estou lá até hoje. Pra te falar a verdade, o único lugar que tenho prazer de jogar futebol é na AABB, nem tanto por conta do futebol, e sim pelas pessoas que têm lá, da resenha e tudo mais".


Atualmente Diogo trabalha na Gramarca de Varzea Grande e observa que leva uma vida corrida devido aos empenhos no trabalho. Mesmo assim, desde 2011 ele não perdeu nenhuma competição da Jesabb nem Jerabb. "Neste ano fui convocado novamente e vamos participar dos jogos de Jaciara. Eu, com o Eduardo, o Yuri e os outros meninos. Vamos tentar fazer uma boa campanha pra vencer, é lógico. A nossa expectativa é grande", disse ele.


Nas palavras do jogador, pelo time que a gente tem e pelo que a gente vem fazendo nos últimos anos na AABB, a equipe da absoluta tem completa e total condições de vencer e se classificar para a Jerabb, que deverá ser em Cristalina-GO. "Os campeonatos da AABB são excelentes. Acho que já tem uns 6 anos que participo de todos. Tive a sorte de cair no time do Thiago Pio e do Bruel, excelente time, que é o PSG, e vamos ver se conseguimos levar o caneco".


Agora leiam o que o Yuri Chaim falou a respeito deles, os dois vovôs mais badalados do futebol abebeano:


"Eduardo Vovô é excelente meio de campo e joga na lateral também. Muito bom jogador e de grupo, qualidade no passe e liderança.Dhiogo Vovô é craque. Melhor jogador da nossa categoria na aabb, além de ser excelente dentro de campo é humilde demais, ajuda todo mundo em campo, passa confiança, é o cara do time".




Pro Yuri falar assim, é porque os caras são bons de verdade! Que bom que jogam todos na AABB Cuiabá.

Rua Alexandre de Barros, 67 - Chácara dos Pinheiros (Coxipó)
Cuiabá-MT - Cep 78080-030
Tel: (65) 3661-1944 | +55 65 9 9235-2546- E-mail: aabbcba@terra.com.br